quinta-feira, 12 de novembro de 2015

10 dicas para você evitar cair em pegadinhas na hora de escolher o seu curso de idiomas


10 dicas para você evitar cair em pegadinhas na hora de escolher o seu curso de idiomas


Buscar informações  sobre a escola  no mercado, internet e entre amigos é o melhor caminho para não cair no conto do “aprenda inglês em X horas”.


Todo mundo sabe o quanto é importante ter um segundo ou até um terceiro idioma para destacar-se no mercado. Principalmente nestes tempos de crise, o grande diferencial para aquela desejada e sonhada vaga é o segundo (ou até terceiro) idioma. Mas  infelizmente muitas pessoas vivem um verdadeiro pesadelo ao inscrever-se em uma escola de idioma e mais  tarde descobrir que foi enganado e não aprendeu nada. Há casos de alunos que inclusive aprendem até errado.
“Hoje em dia existem muitas escolas mais preocupadas em encher o bolso de dinheiro e não se preocupam com a qualidade do professor, com o atendimento e muito menos com o aprendizado do aluno”  Marcos Bellato , professor de inglês e francês, comenta que é crítico o nível dos professores no mercado.
Uma boa escola de idioma preocupa-se diariamente com os alunos, não foca na venda de livros e principalmente não fecha matrícula com ameaças de multas,  atrasa entrega de livros ou ensina de modo robotizado, ressalta Marcos.
Abaixo algumas dicas que podem ajudar os estudantes a escolher a melhor escola  para quem busca aprender ou mesmo aperfeiçoar outro idioma:
1- Desconfie de métodos que prometem nível avançado em pouco tempo. Fluência é impossível em menos de 3 anos.
2- Verifique se a coordenação  da unidade costuma ficar sempre na escola. Atente-se a qualificação do profissional.  Se a mesma for qualificada, a exigência na seleção dos professores será bem melhor. 
3- Desconfie de marcas que “revolucionam” os métodos e etc. Muitas marcas “dizem” que não usam gramática ou focam somente  “na fala” . Infelizmente não dá para se aprender sem uma ou a outra. Não existe mágica.

4- Uma escola excepcional consegue nivelar uma excelente qualidade na sala de aula + ferramentas modernas (lousa interativa, internet, filmes, música) + atividades extra classe (eventos, aulas temáticas, plantões de dúvidas, jogos, etc). Esta é a melhor fórmula de se encontrar uma escola completa e que investe no aluno.
5- Uma escola de alto nível além de preparar os alunos para exames de proficiência também aplica tais exames. Pois o aluno terá a proteção de estar em uma escola que realmente o forma para a fluência.
Mas cuidado, pergunte se a escola prepara e aplica até o último nível de certificação, de acordo com o quadro comum europeu (o exame CPE de Cambridge). Nada menos que isso.
6- Verifique no Reclame Aqui o histórico da empresa.  Analise cada depoimento e saiba que não é por que a reclamação foi “solucionada” no site que ela deva ser ignorada.  Uma marca com muitas reclamações (solucionadas ou não) é um sinal de perigo.
7- Cuidado com a compra de materiais didáticos, pois esta é uma das maiores reclamações de alunos e ex-alunos (juntamente com a de “multas abusivas”).Adquirindo um material para todos os níveis do curso de uma só vez, claramente a marca quer te manter “‘refém da escola”. Caso você desista não poderá devolver o material, mesmo se não o tiver utilizado. Além de arcar com um valor considerável. Vide o número de materiais vendidos de algumas escolas, por exemplo, no mercado livre.
8- Outra “artimanha” para deixar o aluno refém da escola é força-lo a fechar contratos longos (algo acima de 1 ano e meio) e multas contratuais. Aliás, já existem escolas que, confiando no seu método, não cobram  multas contratuais. O que é bem interessante, pois claramente a escola fará o máximo para ter um curso de alto nível, com professores  igualmente preparados garantindo a permanência do aluno pela satisfação e não por medo de multas.
9-  Fuja das escolas que ensinam  qualquer idioma pelo método “decoreba”. Está mais do que provado que fazer o aluno repetir diversas vezes a mesma palavra e frase, obviamente fará decorar a sentença. Mas será que na vida real (ou no trabalho) ele ouvirá exatamente tudo como decorou? A chance de ter “brancos”  é enorme e com certeza este tipo de método comprova o alto número de “fluentes” no idioma que fracassam em entrevistas e na segunda língua. Opte pelo método comunicativo, que é fazê-lo pensar em inglês.
10- Uma escola nota dez é aquela que trata o aluno como humano e não como robô. E é humanamente impossível aprender em alto nível em uma sala com superlotação. Desconfie de escolas com mais de 12 ou 13 alunos dentro de uma sala de aula. Salas com 20, 30 ou até 50 alunos pode ser muito divertido, mas aprendizado é zero. Fuja disto!

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More