quinta-feira, 31 de julho de 2014

Foco no vestibular e baixa qualificação de professores faz com que brasileiro não aprenda inglês direito

















Foco no vestibular e baixa qualificação de professores faz com que brasileiro não aprenda inglês direito

Para especialista, certificações internacionais podem ajudar a elevar o nível de proficiência no país


O destaque internacional do Brasil não está no mesmo nível do conhecimento de inglês dos brasileiros. A última edição do ranking Índice de Proficiência em Inglês, desenvolvido pela Education First, coloca o país na 38ª posição entre 60 outras nações, classificando o Brasil na categoria “proficiência baixa” no idioma.

Para suprir a deficiência do ensino regular, mais de seis mil unidades de 73 redes de escolas de idiomas estão em atividade no país, mas, ainda assim, os brasileiros não apresentam um nível satisfatório na língua. Para a diretora geral do São Paulo Open Centre, Fátima Trindade, o problema está no fato do ensino de idiomas ter sido encarado por muito tempo como atividade, e não disciplina. Além disso, ela acredita que o foco no vestibular e a falta de professores de inglês qualificados enfraquecem o ensino de uma segunda língua na educação básica.

Em conversa com o Guias, Fátima defende que os testes de certificação internacional auxiliam no aprendizado do idioma e incentivam o aluno na busca pelo aperfeiçoamento.


Qual é a importância de possuir uma certificação internacional de língua estrangeira?
Uma certificação internacional prova competência e tem reconhecimento global. No caso das certificações Cambridge English, há um reconhecimento em mais de 130 países de exames que carregam a tradição de 100 anos de existência, ou seja, confiabilidade e precisão naquilo que atestam. Sem dúvida é um diferencial importante para o currículo de qualquer profissional, independente de sua área de atuação, considerando que vivemos em um mundo cada vez mais sem fronteiras.


Por que o Brasil está entre os países com os menores níveis de proficiência em inglês? 
Porque não se deu até hoje a devida importância do ensino de línguas estrangeiras nos nossos currículos. Elas foram consideradas durante muito tempo atividades, e não disciplinas. Hoje elas são consideradas disciplinas, mas com pouca carga horária e com professores em geral pouco qualificados. Como se a responsabilidade de desenvolver esta competência não fosse da escola. Grande engano! Nossos parâmetros curriculares na área de línguas estrangeiras são pouco exigentes, cobrando apenas o desenvolvimento de duas habilidades linguísticas (leitura e escrita) das quatro (há também compreensão auditiva e produção oral). Isso acabou gerando um preparo apenas instrumental focado nos processos seletivos dos vestibulares, muito pouco desenvolvido para de fato habilitar nossos jovens para o mundo atual. 
 
Você mencionou a falta de qualificação dos professores. Qual é o principal problema? 
A formação dos professores é um ponto crítico, pois muitos deles não são fluentes em inglês e, portanto, as aulas que deveriam ser ministradas em inglês são dadas em português. Esta falha está na graduação, que não desenvolve a proficiência linguística do professor, já que pressupõe-se que ele já a tenha – o que não é a nossa realidade. Este aspecto é um dos que nos leva a ter um dos piores resultados nas avaliações internacionais de proficiência.
 
Por que o mercado de trabalho valoriza os certificados? 
Porque de fato os exames Cambridge English comprovam a qualificação das pessoas e valem pela vida inteira. Como são certificações com tradição e que passam por constante aprimoramento e rigor na sua aplicação, seus resultados são extremamente respeitados e reconhecidos mundialmente por instituições de ensino, empresas, organizações internacionais, de imigração etc.
 
De que forma os certificados aproximam o inglês dos alunos? 
Fazer um exame é ter uma meta de aprendizagem a ser atendida. É trazer a língua inglesa em estágios de progressão. É ter clareza do que devo poder realizar nas quatro habilidades linguísticas em cada estágio: ouvir, falar, ler e escrever. Estas metas de aprendizagem com a realização dos exames Cambridge English se realizam através da materialização da matriz de competências e habilidades do Quadro Comum Europeu para o ensino das línguas estrangeiras (CEFR). Esta matriz é o guia que define cada estágio de proficiência, e está dividida em seis estágios: nível básico (A1 e A2), nível intermediário (B1 e B2) e nível avançado (C1 e C2).
 
A certificação aprimora o ensino do idioma ou sua obtenção é uma consequência de quem estudou bastante?
Fazer uma certificação é se preparar para a comunicação em estágios crescentes de proficiência, ou seja, é estimular a pessoa a se desenvolver e se aprimorar sempre, pois atualmente o nível de exigência supera os níveis básicos aceitos no passado. A globalização, junto à maior mobilidade e quebra de fronteiras, trouxe a necessidade da comunicação universal na língua inglesa a patamares superiores.
 
 
 
Fonte: Guias de educação

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More