sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Veja os pontos positivos e as falhas de 4 cursos virtuais de idiomas

Veja os pontos positivos e as falhas de 4 cursos virtuais de idiomas


Cursos on-line de idiomas prometem resultados rápidos, economia de tempo e de dinheiro e vêm fazendo uma ofensiva publicitária -resta saber se eles funcionam.

A Folha testou aulas de quatro serviços virtuais que vêm expandindo suas atividades no Brasil: Englishtown, Open English, Rosetta Stone e Livemocha.

Os cursos usam plataformas e métodos diferentes, mas visam conquistar o mesmo público: adultos em busca de flexibilidade de horários e aulas mais baratas.

Trata-se de um mercado especialmente promissor no Brasil, onde 95% da população entre 18 e 55 anos não fala inglês, segundo pesquisa do British Council.

No levantamento, foram entrevistados 720 brasileiros de todas as regiões do país. A maioria via os cursos pela internet com desconfiança, por considerar o professor essencial para a qualidade do aprendizado.

Para Nina Coutinho, diretora de inglês do British Council, o estudante não precisa necessariamente de acompanhamento para aprender um novo idioma.

"O curso on-line funciona, sim, mas é melhor que o estudante tenha oportunidades de comunicação paralelas."

Os preços dos pacotes mais básicos dos serviços avaliados variam de zero (no caso do Livemocha, que tem só alguns módulos e aulas pagos) a R$ 249 (na Rosetta Stone).

Na Livemocha, o curso é integrado a uma rede social, em que usuários nativos corrigem exercícios de escrita e pronúncia de aprendizes.

Já a Englishtown e a Open English funcionam como escolas virtuais: os alunos fazem testes de nível e provas até concluírem o curso e ganharem certificados.

O curso da Rosetta Stone propõe exercícios mais básicos, para quem está começando mesmo no idioma -a proposta é levar o aluno até o nível intermediário, em que ele possa manter uma conversa com nativos.

Nem todos têm paridade direta com o conteúdo proposto para os níveis do Marco Comum Europeu, a referência de nivelamento de idiomas que é adotado pela União Europeia.


fonte: http://classificados.folha.uol.com.br/empregos/2014/01/1404744-veja-os-pontos-positivos-e-as-falhas-de-4-cursos-virtuais-de-idiomas.shtml

 

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More