quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Aumenta o número de estudantes em busca de intercâmbio no exterior



É cada vez maior o número de estudantes à procura de intercâmbio no exterior, uma forma de aprender uma língua estrangeira e conhecer outras culturas.  Rafael Siqueira, de 23 anos, é estudante de Direito. Ele já passou seis meses no Canadá, estudando inglês, e agora vai para Orlando, nos Estados Unidos. Desta vez, para trabalhar.

"Em Direito, a gente está sempre lidando com pessoas de classes sociais diversas, pessoas de origens diversas. Então acaba que lá a gente vai estar com pessoas que são mais diferentes ainda. Então voltar com essa experiência vai ser, sem dúvida, um passo à frente aqui no Recife", acredita.


Marina Motta é uma campeã de intercâmbios. Já fez 11 em seis países diferentes. Tanta experiência permitiu que ela escrevesse um livro com dicas de A a Z. Marina lembra que, ao contrário do que muitos pensam, os intercâmbios não são apenas para adolescentes. "Intercâmbio não tem idade. A partir dos oito anos já dá para fazer, até os 70. E existem intercâmbios com diversas durações. Tem intercâmbio para a terceira idade. Tem cursos, por exemplo, de  História da Arte, para maiores de 50 anos", explica.

As universidades também promovem cada vez mais os intercâmbios internacionais. Na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), por exemplo, o número de alunos que vão passar um período em universidades de outros países só faz aumentar. No ano 2000, foram apenas 23 alunos. Neste ano, a expectativa da Universidade é que 71 estudantes façam intercâmbios.

Hoje, os alunos da Unicap podem estudar em cursos de universidades de 20 países. A estudante Thaís Bezerra está no 7º período de Direito e vai passar seis meses na Universidade de Salamanca, na Espanha. "É um aprendizado. Uma experiência tanto profissional quanto de vida. Nós vamos vivenciar diversas culturas, outras línguas e diferentes visões de mundo. Isso é fantástico", diz.

O estudante está percebendo que está havendo um processo tanto de globalização quanto de mobilidade e que, à medida que ele vai conhecendo outros países e ampliando seu conhecimento, ele vai se tornar um profissional mais competente, com possibilidades no exterior e no Brasil.

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More